Linave Transportes - Os Laranjais Iguaçuanos

A Linave foi fundada pelo Grupo Evanil em 1974 tendo como linha a ligação Nova Iguaçu x Queimados via Dutra. Sua história está ligada à Viação Eperança Ltda, fundada em 1961.



A Viação Esperança foi constituída pelos sócios Arthur da Silva, Arthur da Silva Filho, Antônio de Oliveira Sobrinho e Hugo Jordão Ribeiro. Com garagem localizada no Centro, na Av. Gov. Amaral Peixoto, nº 490, contávam com uma frota de 04 veículos que operavam uma única linha, ligando Nova Iguaçu a Miguel Couto.
Em abril de 1962 adquire da extinta Transportes Santa Terezinha, a operação de mais duas linhas e 06 veículos.

Mudança de administração

Em setembro de 1962, ingressou na sociedade Feliz da Silva. Em janeiro de 1963 ingressava José da Silva Neto, saindo Arthur da Silva e Hugo Jordão Ribeiro.

Em outubro de 1964 retirou-se Antônio de Oliveira Carvalho Sobrinho, ingressando Luiz Carlos da Silva, momento em que a empresa passou a pertencer somente aos irmãos. Ainda em 1964 foi adquirida sede própria, localizada na Av. Nilo Peçanha, nº 689. Em 1965, Paulo Roberto, então com menos de 15 anos, fazia pagamentos e depósitos em bancos, levando sozinho o dinheiro. Este veio a ingressar na sociedade em março de 1970, e encontra-se até os dias atuais.

Em 1967, foi adquirido da extinta Viação Nossa Senhora do Refúgio alguns veículos e a operação de uma linha.
Em 1972, foi comprada da Transportadora Tinguá a atual sede, na época com área de 2960 m².

Formação da Linave Transportes

Em 1975 a Viação Esperança adquiriu, do Grupo Evanil, a Linave Transportes. Em junho de 1977 retirou-se da sociedade Arthur da Silva Filho, que resolveu partir para outros empreendimentos.



Com a aquisição em 1978 de 12 veículos e a operação de duas linhas da extinta Rival Transportes, teve início o processo de incorporação da Viação Esperança à Linave Transportes, somando quase 40 veículos.



Foi adquirido da Viação Carlos Sampaio em 1984 alguns veículos e a operação de duas linhas, ligando Austin a Carlos Sampaio e Nossa Senhora do Rosário. Em 1989, a empresa entrou para o ramo de turismo e fretamento através da fundação da Ascenção Turismo Ltda, que contava com veículos urbanos e rodoviários em sua frota. Esta veio a encerrar suas operações aproximadamente dez anos depois.



No início da década de 1990 houve uma grande transformação na empresa, pois com a emancipação dos distritos de Belford Roxo e Queimados, a maior parte das linhas operadas foram transferidas para o sistema intermunicipal, controladas pelo Detro/RJ. Em 1996, a empresa recebe a permissão para operar as recém-criadas linhas Belford Roxo x Queimados, Vilar dos Teles x Queimados e Miguel Couto x Mesquita (atualmente Edson Passos).


Com esse aumento, a empresa passou a contar com 12 linhas intermunicipais e 03 municipais, sendo operadas por 82 veículos, e com a garagem que já contava com 10400 m², após as expansões necessárias devido ao crescimento.



Em dezembro de 2009 a empresa lança sua nova e atual identidade visual, trazendo mais modernidade à imagem da empresa, sem deixar de lado os elementos que simbolizam o vínculo com Nova Iguaçu: as cores verde e laranja, que remetem aos laranjais iguaçuanos. Ainda em 2009, a empresa aumenta sua área de atuação recebendo linhas municipais, oriundas da extinta Elmar Transportes, aumentando assim a sua área de operação na região que já foi uma grande produtora de laranjas.


Os Laranjais Iguaçuanos

O município de Nova Iguaçu exerceu durante longo período de tempo, principalmente durante o ciclo do café do Vale do Paraíba, a função de principal porto de escoamento das mercadorias, tendo como direção final as metrópoles européias e norte-americanas; dessa forma, parte significativa do desenvolvimento econômico e social da atual Baixada Fluminense esteve atrelada ao do Rio de Janeiro.


Plantações de Laranja em Nova Iguaçu: década de 1930.
A laranja foi seu principal produto, porém, a Segunda Grande Guerra interrompeu a economia da região, deixando esta em estado de inércia por um longo período.

A laranja foi trazida para Nova Iguaçu no último quartel do século XIX. Os locais utilizados para o plantio da laranja foram os mesmos utilizados para o café. Fatores de ordem geográfica, infraestrutural, natural e político fizeram da área de Nova Iguaçu um lugar atrativo para o desenvolvimento da citricultura

O plantio da laranja em escala comercial exigiu uma infra-estrutura própria que ia desde a fabricação de caixas, o transporte até o tratamento e acondicionamento, fazendo com se gerassem empregos especializados na região. Nova Iguaçu tornara-se então o novo eldorado e atraía gente de todo país. Os arredores dos imensos laranjais eram ocupados por moradias, bairros crescendo, muitas vezes, de formas irregulares.


Anuncio da produção de *Laranjas *- Década de 30

O ciclo da laranja em Nova Iguaçu se fez mais precisamente entre os anos de 1920 e 1940, sendo que a partir deste último ano começou sua definitiva decadência. Vários fatores levaram ao declínio desta cultura: um deles foi a deflagração da Segunda Guerra Mundial, conflito no qual foi interditada a navegação comercial por causa do perigo dos ataques às embarcações; dessa maneira, os navios frigoríficos que levavam a laranja para a Europa não mais aportaram no Rio de Janeiro e a produção não pode mais ser escoada.

Outros fatores como a falta de armazéns frigoríficos que pudessem armazenar a produção bem como o transporte rodoviário deficiente face à crise do combustível fez com que parte dos frutos apodrecesse nos pés, originando, dessa forma, a praga conhecida como “mosca do mediterrâneo”.

O aparecimento dessa mosca nos laranjais iguaçuanos ocasionou uma expressiva queda na produção. Os agricultores não souberam como atacar esse mal, nem tiveram o devido apoio governamental para isso. Assim sendo, os produtores da Bacia do Prata beneficiaram-se, uma vez que souberam como se precaver do ataque da praga importando do Brasil seu predador natural (uma vespa denominada cientificamente de Tetrastichus giffandianus).

Quando a Segunda Guerra Mundial chegou ao fim a situação da laranja em Nova Iguaçu era desastrosa, a produção foi reduzida pela metade e a qualidade dos frutos não era boa, as plantações que resistiram às pragas apresentavam um rendimento muito baixo.



----------------------------------

Aumento da área operacional


Em 2012, a empresa adquire da Viação Normandy a operação de algumas linhas que atendem os municípios de Japeri, Miguel Pereira, Paty do Alferes, Paraíba do Sul e Três Rios. Com isso, a empresa adquire também a garagem em Paty do Alferes e 25 veículos.



Em 2013, foram comprados cinco veículos executivos para operarem a linha Miguel Pereira x Três Rios, uma dasmais longas linhas, com quase 150 km de percurso (ida e volta). Os veículos inauguraram o serviço “Maximus” e contam com pintura diferenciada, além de ar condicionado e poltronas reclináveis.
Em 2014 mais duas unidades, reforçaram a frota da linha, além de ampliar seu itinerário em mais alguns quilômetros. 




Formação do Consórcio Serra do Vulcão

Em março de 2016, a Prefeitura de Nova Iguaçu, através da Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana, lançou o novo Contrato de Concessão do Transporte Coletivo por Ônibus da cidade.

Com a criação de dois consórcios operacionais das linhas municipais, os ônibus que atendem as linhas municipais passaram a ter a pintura nas cores laranja, branco e cinza, padronizadas pela prefeitura, após a licitação que definiu quais empresas continuariam a operar linhas de transporte municipal.





A Linave passou então a fazer parte do Consórcio Reserva de Tinguá (Área I) - juntamente com as empresas Vera Cruz, São José e Mirante.


Linhas operadas pela Linave:

Setor Nova Iguaçu

Municipais

106 Nova Iguaçu x Carmary via Hospital da Posse
110 Nova Iguaçu x Carmary via Praça São Jorge
125 Nova Iguaçu x Miguel Couto via Luiz de Lemos
126 Nova Iguaçu x Vila de Cava via Luiz de Lemos
127 Nova Iguaçu x Nova América via Praça São Jorge
128 Austin x Carlos Sampaio via Cemitério
129 Nova Iguaçu x Nova Brasília via Vianense
130 Nova Iguaçu x Adrianópolis via Furnas
131 Nova Iguaçu x ATA via Santa Rita
132 Nova Iguaçu x Rio D'ouro via Furnas
133 Nova Iguaçu x Bairro Amaral via Vianense

Intermunicipais

155I Nova Iguaçu x Vila Camorim via Dutra
170I Nova Iguaçu x Queimados via Inconfidência
175I Belford Roxo x Queimados via Dutra
585I Nova Iguaçu x Jaceruba via Santa Rita
605I Austin x Queimados via Guimarães
606I Vilar dos Teles x Queimados via Dutra
607I Nova Iguaçu x Paraíso via Marileia 
608I Nova Iguaçu x N. Srª. do Rosário via Eurico Miranda
610I Austin x Queimados via Inconfidência
705I Miguel Couto x Edson Passos via Dutra
840I Austin x N. Srª. do Rosário via santa Cecília
845I Austin x Queimados via Largo dos Peixes


Setor Paty do Alferes

Municipais

105 Miguel Pereira x Cilândia
106 Miguel Pereira x Lagoínha
107 Miguel Pereira x Clube Velho
108 Governador Portela x São Judas
109 Governador Portela x Praça da Ponte
110 Miguel Pereira x Marco da Costa via Vera Cruz
111 Miguel Pereira x Ramada
113 Miguel Pereira x Governador Portela via Vila Selma/PASSATEMPO

Intermunicipais

MP70 Miguel Pereira x Três Rios
MP74 Japeri x Arcozelo
P412 Governador Portela x Avelar
P412 Governador Portela x Vista Alegre
P700 Governador Portela x Arcozelo
PS10 Miguel Pereira x Vale das Videiras (Petrópolis) 




Referências Bibliográficas

Linave Transportes, Notícias Ônibus, Cia de Ônibus, Elefante Verde, Ônibus Brasil, Universidade Federal Fluminense, Fetranspor
Share:

11 comentários:

  1. Só um detalhe: A empresa Santa Terezinha não foi extinta,está em atividade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Santa Terezinha de q se fala e outra q existiu em Austin. Não é a empresa de Nilópolis q é outra coisa.Esta segunda ainda existe e é da Flores.

      Excluir
    2. A santa terezinha de sao joao de Meriti nao pertence a flores(grupo Jal).As empresas que pertencem ao grupo Jal sao: Flores, Mageli, Beira Mar, Real Rio, Rio D'ouro, Planalto, Brazinha e Acari.
      O subgrupo ponte coberta: Ponte coberta, Gloria e Gardel.

      Empresas que fazia parte do grupo:
      Vera Cruz (B.Roxo), Transmil, Continental, Reginas e Intermunicipal.

      E o Jose Alves Lavouras tambem tinha participaçao no grupo Rubamerica: Rubanil, América, Madureira Candelaria,Tingua e Caravele.

      Excluir
    3. Sobre esse grupo,pelo que eu sei, a Vera Cruz de Belford Roxo, fazia parte do grupo JAL. Agora, a Reginas, a continental pelo que eu sei nunca fizeram parte de grupo nenhum. Já a caravelle, Tinguá, Madureira Candelária, Rubanil e América pertenciam ao Sr.João. Com exceção da Tinguá, as outras empresas faliram.

      Excluir
    4. Atualmente a empresa Intermunicipal de Caxias, pertence ao grupo Fábios do mesmo município.

      Excluir
  2. A 175I está descrita como Nova Iguaçu x Queimados. É Belford Roxo x Queimados. E faltaram a 170I-Nova Iguaçu x Queimados via Inconfidência e a 845I-Austin x Queimados via Largo dos Peixes.

    ResponderExcluir
  3. A 175I está descrita como Nova Iguaçu x Queimados. É Belford Roxo x Queimados. E faltaram a 170I-Nova Iguaçu x Queimados via Inconfidência e a 845I-Austin x Queimados via Largo dos Peixes.

    ResponderExcluir
  4. Segundo in formações da Linave houve por um pequeno período na década de 70 uma sociedade com a Vila rica.As pinturas eram muito parecidas ,só diferenciava o verde da Linave.Com essa explicação da Linave pude então entender o porque de eu ver quando criança um Linave fazendo a linha Bnh x nova iguaçu passando aqui em banco de Areia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me lembro de ter visto uma foto de um Vila Rica com a pintura igual à da Linave, com cores diferentes. Infelizmente não encontro mais essa imagem. Boa lembrança.

      Excluir
  5. Agora tem as linhas de Nilópolis x barra.central.km 2.5 que eram da nilopolitana

    ResponderExcluir

Seguidores

Principais Asuntos

barcas (2) brt (2) Caminhos (11) cidades (11) corredores (17) destaque (5) empresas (19) exportado (14) extinto (3) ferrovia (6) ferrovias (11) guanabara (1) iconeI (2) iconeII (2) ilhagrande (1) intermunicipais (47) Localidades (29) Malha (9) metro (2) mobilidade (20) municipais (12) municipios (11) noticias (13) onibus (64) perigo (1) ramais (1) regiões (12) rotas (31) rotas1 (31) seletivos (12) staff (7) Terminais (12) transbrasil (1) trens (11) vlt (1)

Total de visualizações de página


Somos movidos pelo interesse de explorar os meios, modos e regras que integram o sistema de mobilidade urbana no Estado do Rio de Janeiro. O avanço tecnológico tem trazido mais dinamismo nas cidades, fazendo com que a população evolua e acompanhe esse avanço.

Buscamos obter informações, matérias, históricos e projetos de mobilidade e transformação urbana, assim como a realização de visitas técnicas em empresas, concessionárias e instituições relacionadas à Mobilidade Urbana do RJ, cuja perspectiva é abordar temas mais diversos e estar inteirado no que há de vir nos serviços de transportes.


As Mais Lidas

Postagens Recentes