Mobilidade nas Ruas: Distrito de Santo Aleixo (Magé)

O Distrito de Santo Aleixo localiza-se no extremo norte do município de Magé, junto às divisas de Petrópolis e Guapimirim; distanciando-se não apenas do centro de Magé mas também de Duque de Caxias, principal cidade vizinha.



Situado ao sopé da Serra dos Órgãos, entre montanhas e cortado por rios, o relevo acidentado encerra as construções em um pequeno vale coberto por densa mata secundária cortada por inúmeros riachos. Todo o traçado urbano seguiu a conformação do vale.



O distrito de Santo Aleixo engloba ainda os bairro de Andorinhas, Cascata, Capela, Cachoeirinha, Gandé, Jardim Esmeralda, Morro Cavado, Morro do Pau à Pique, Morro do Batatal, Poço Escuro e Vila Operária.



O distrito fica praticamente todo numa região de vale, pouco povoado, contando com poucas ruas principais e vilas de pequeno porte, em uma área cercada de verde e banhada por rios e cachoeiras que têm suas nascentes nos vales e montanhas que formam a Serra dos Órgãos.



Há décadas Santo Aleixo contava com uma importante fábrica têxtil e sua rotina era agitada por dois cinemas, hoje desativados.



O início da colonização do distrito se deu por volta do século XVIII, onde alguns desbravadores, portugueses e escravos, encontraram na região um solo fértil para a lavoura, água em abundância e um clima bastante agradável.


Capela de Santo Aleixo. Foto: Gustavo Lusori
A região passou a ser conhecida como Santo Aleixo em 1743 com a construção, pelo casal José dos Santos Martins e Joana Caldeira de Araújo, de uma capela dedicada a Santo Aleixo. Por decreto, o distrito de Santo Aleixo foi criado em 28 de maio de 1892.



A população era composta, na sua grande maioria, de lavradores que tinham como principais gêneros de produção a farinha de mandioca e o café. A situação começou a se modificar em 1847, quando da instalação de uma das primeiras indústrias de tecidos do Rio de Janeiro, a Fábrica Santo Aleixo.


Entrada da Fábrica Santo Aleixo - Fonte: Magé Terra do Dedo de Deus

Em razão da água em abundância, foi escolhido no Século 19 para receber importantes indústrias têxteis. As turbinas das indústrias, movidas à água, eram a força motriz de máquinas e caldeiras. A indústria têxtil no Século 18 representou o início da Revolução Industrial na Inglaterra.



A fábrica tinha cinco pavimentos de madeira, com janelas na frente e nos fundos. Na frente, havia uma torre que terminava num condutor elétrico que protegia o prédio. Além desse edifício, existe outro, também todo de madeira, onde moravam os operários. O maquinário era movido a água conduzida por uma vala.


Vista aérea da Fábrica Santo Aleixo - Foto: Revista Guia e Cia

Além do prédio principal, havia outros situados simetricamente de cada lado da sede da fábrica, formando uma ampla área dominada, ao centro, pela torre. Nas proximidades, ficava a residência do proprietário com um plantel de árvores, de um lado, e um maravilhoso jardim do outro – tudo isso rodeado pelos contrafortes da Serra dos Órgãos. O contraste bucólico com a indústria deixava a impressão duradoura.




Vila Operária da Fábrica Santo Aleixo - Foto: INEPAC
A Fábrica Santo Aleixo situava-se longe dos grandes centros, rico em energia hidráulica e onde facilmente podia ser construído um empreendimento isolado e auto-suficiente, formando o “sistema de fábrica com vila operária” onde os membros da classe operária estariam subordinados duplamente ao patronato fabril, uma vez que este é proprietário das casas e dos aparatos institucionais

Em Santo Aleixo, a situação de fábrica com vila operária, combinada ao isolamento, resultante de sua configuração geográfica, propiciaram a concretização de experiências coletivas geradoras de um peculiar processo de sedimentação das identidades sociais. A especificidade dessas experiências foi potencializada pelo próprio modo como se caracterizou o processo de adensamento da população.




Fábrica Andorinha ao lado do Rio Roncador - Foto: Reprodução da internet

Depois da Fábrica Santo Aleixo, outra fábrica do ramo têxtil veio se instalar na região, a Fábrica de Andorinhas, que começou a ser construída em 1870, transformando definitivamente aquela região agrícola numa área industrial.


Reforma e ampliação da Fábrica de Andorinhas em 1935 - Foto: Reprodução da internet

O lugar tornou-se um verdadeiro polo de atração de famílias oriundas de regiões vizinhas. Houve, inicialmente, uma migração interna, quando a população, outrora ocupada com atividades agrícolas, passou a se concentrar ao redor dessas fábricas.




Fábrica de Tecidos Andorinhas - Foto: Reprodução da internet

Posteriormente, houve migrações externas, intermunicipais e interestaduais, aumentando significativamente o número de habitantes.

Esse intenso movimento migratório em direção ao distrito de Santo Aleixo ligase ao contexto de incremento das atividades industriais no Brasil.
Como é sabido, a década de 1930 foi marcada por um aumento dessas atividades no país.


Fábrica Esther em Santo Aleixo - Magé RJ - A empresa Transportes Primavera operava linhas na região.
Foto: Reprodução da internet

Nesse período, a legislação social que vinha sendo objeto de lutas em anos anteriores passou a ser efetivamente elaborada e implementada, traduzindo-se em significativos benefícios para o trabalhador industrial, sobretudo quando posto numa relação com o trabalhador rural.



Tais medidas, conjugadas aos melhoramentos proporcionados pela abertura das estradas no município de Magé, possibilitaram o surgimento e o progressivo crescimento da ocupação em torno da Fábrica Pau Grande (também em Magé) e da área circunvizinha às Fábricas Santo Aleixo e Andorinhas.


Selo próprio da Fábrica Santo Aleixo para impedir falsificação
Fonte: Revista Guia e Cia

Umas das grandes dificuldades encontradas pelas fábricas era a questão do transporte, este era feito por rio, naquela época o Rio Roncador ou Santo Aleixo era navegável até o Gandé, o restante do trajeto era feito através de carroças, tanto a matéria prima quanto o produto final eram transportados em carroças. O restante da população utilizava-se de cavalos, ou andar a pé. Algumas carroças faziam transporte, mas apenas de comerciantes e venderes viajantes.



A primeira estrada macadamizada que ligava a Magé e Santo Aleixo foi construída por Adam Brumer, a estrada servia para o transporte de algodão entre as duas fábricas e ganhou o nome do seu construtor. O início da construção foi por volta de 1906, e sua inauguração foi em 1910.



A estrada construída por Adam Brumer teve uma curta duração, já nos finais de 1920 e início de 1930 ela se encontrava em completo abandono. Esta foi reconstruída por um acordo entre as fábricas e a prefeitura.


Bondinho que ligava Magé à Santo Aleixo Foto: Acervo Edson Golinelhi

Por volta de 1915, a Companhia Mageense aproveitou o motor de um caminhão e construiu um bonde para ligar Magé a Santo Aleixo, transportando assim os materiais das fábricas e a população, fazendo duas viagens por dia. Trabalhavam como motoristas nessa linha

O bondinho deixou de funcionar em 1934 quando a Companhia Mageense colocou a Fábrica Andorinhas à venda.



A primeira linha de ônibus de Magé Foi criada em 1931, o casal Martiniano e Durvalina Pereira Soares, inauguraram a primeira linha de ônibus do município, cujo nome era Companhia Melhoramentos – Santo Aleixo/Magé.



Companhia Melhoramentos – Santo Aleixo/Magé - Foto: Reprodução da internet


A empresa possuía três carros:
O primeiro foi construído em março de 1931 em Teresópolis, era um Chevrolet 1928;
O segundo foi construído em Santo Aleixo pelos próprios donos da empresa, pois “Seu Martiniano” era considerado um excelente carpinteiro, um Chevrolet 1930;
O terceiro ônibus, também um Chevrolet, foi comprado de uma empresa de Teresópolis.


Mage x Santo Aleixo - Viação Itambi - Foto: Reprodução da internet

A empresa realizava a ligação entre a sede do município de Magé e a sede do distrito de Santo Aleixo. Posteriormente, o serviço na região passou para a Viação Itambi.



O distrito é ligado ao distrito sede (Magé) e à Piabetá, localizado no distrito de Inhomirim. A principal via do distrito acompanha o leito do Rio Roncador, recebendo três denominações:


O distrito é ligado ao Centro da Cidade do Rio de Janeiro e ao município de Duque de Caxias através de linhas da empresa Auto Viação Reginas. Suas linhas percorrem a BR-040 ´Rodovia Washington Luís e BR-116 Rodovia Santos Dumont. A linha com origem em Duque de Caxias atende também ao Centro de Magé. Embora identificada como Andorinhas, a linha para mais acima do Vale do Rio Roncador, na localidade conhecida como Batatal.


  • Rua Waldemar Colombo Garcia;

Desde o Batatal à Andorinhas.


  • Rua Malvino Ferreira de Andrade;

Desde Andorinhas ao Vilar Santo Aleixo, cortando as vilas de Xalé e Poço Escuro.




A linha 1001 da Transportee Turismo Iluminada parte do Centro do município de Magé e percorre os bairros da Vila Nova, Bela Floresta, Jardim Nova Marólia, Jardim Nova Marília, Jardim Esmeralda, BNH, Gandé, Capela, Britador, Vila Operária, Vilar Santo Aleixo, Poço Escuro, Xalé, Andorinhas e Batatal, onde termina a linha.


  • Rua Otto Linch Bezerra de Melo;

Desde a Praça Joaquim Leitão à Praça Guarani, entre o Vilar Santo Aleixo e a Vila Operária.


  • Rua Laura Magalhães Teixeira;

Desde a Praça Guarani ao Trevo da Capela, passando pelos bairros da Cascata e Britador.




A lnha 458M liga o distrito  ao município de Niterói, atendendo ainda à sede do município de Magé. Sue percurso é realizado pela BR-493 Rodovia do Contorno da Guanabara, hoje sobreposta ao Arco Metropolitano. Atende ainda aos municípios de Guapimirim, Itaboraí e São Gonçalo.


  • Estrada Adam Blumer;

Desde a Capela ao Jardim Nova Marília, percorrendo os bairros do Gandé, BNH e Jardim Esmeralda. Esse segmento cruza também a BR-116 Rodovia Santos Dumont.


  • Estrada Papa Pio XII

Após a passagem de nível do Jardim Nova Marília até a Praça Getúlio Vargas, localizada no Centro de Magé.





O distrito é ligado também à Piabetá através da Estrada Alan Antonio Bergara. A estrada que tem incício na Capela, contorna o Parque Nacional da Serra dos Órgãos, atendendo aos bairros mageenses da Cachoeirinha, Vila Rica, Rio Ouro, Covanca, Cachoeira Grande, até alcançar Piabetá.

A via percorre o vale dos rios Suruí, da Cachoeira e Caioaba.



As linhas municipais que atendem ao distrito foram adquiridas pela Transportadora Primavera, que já atuava no município desde a absorsão da Rápido Paugrandense. Administrada pelo Grupo Luxor, a empresa encerrou as atividades em 2004, sendo suas linhas municipais operadas emergencialmente pela Auto Viação Reginas.





A linha que liga Andorinhas à sede, passou a ser operada pela Magemirim Transportes, que já operava linhas entre o 1º distrito mageense e o município de Guapimirim, antes 3º distrito de Magé, emancipado em 1990.

As linhas municipais que atendem ao 6º distrito mageense (Vila Inhomirim) eram operadas pela Transportadora Primavera desde a sua fundação.




Linha Magé x Andorinhas em 1997 - Foto: Moacir Ramos

Nos anos 2000, por conta das diversas crises financeiras enfrentadas pelo Grupo Luxor, a empresa já não prestava com excelência os serviços à população.

Em virtude disso, a Prefeitura Municipal de Magé, através do Decreto de Nº. 2222 do dia 17 de abril de 2006, contrata emergencialmente a Auto Viação Reginas para que operasse parte das linhas municipais, com isso, houve a seguinte distribuição:



Grupo 1 - Auto Viação Reginas:

Magé x Andorinhas
Magé x Ipiranga via Suruí
Magé x Ipiranga via Estrada Nova
Piabetá x Andorinhas
Magé x Piabetá (via Rio do Ouro)
Pau Grande x São Francisco
Magé x Raiz da Serra
Magé x Pau Grande





Grupo 2 - Transporadora Primavera:

Magé x Piabetá via Estrada da Conceição
Andorinha x Capela (circular)
Magé x Vila Rica
Magé x Piedade
Magé x Barão de Iriri
Piabetá x Jardim Esmeralda
Piabetá x Barreira (circular)
Piabetá x Parque dos Artistas (circular)
Piabetá x Nazareno
Piabetá x Suruí
Piabetá x Parque Paranhos (circular)
Piabetá x Ponte Preta (circular)
Piabetá x Mauricéia (circular)
Piabetá x Raiz da Serra
Piabetá x Pau Grande
Piabetá x Meio da Serra
Piabetá x Magé via BR





Em 2009 após licitação para permissionária para operação integral das linhas, foi vencedora a Alfa Rodobus Transportadora Turística. Com isso, ela substituiu a Auto Viação Reginas, que já operava com exclusividade as linhas municipais mageenses.




Em dezembro de 2011 a prefeitura de Magé rescindiu com a Alfa Rodo Bus o termo de permissão de uso das linhas municipais da cidade. Segundo a prefeitura, a empresa paulista não estaria cumprindo as condições determinadas no contrato, desrespeitando a gratuidade dos idosos e dos estudantes e ainda trafegando com ônibus sujos, pneus carecas e descumprimento aos horários nas 25 linhas.





Transturismo Rei Ltda (TREL) foi contratada emergencialmente por seis meses até que a nova licitação fosse concluída. No dia 28 de abril de 2012 surge a Transporte e Turismo Iluminada, empresa integrante do Grupo TREL e vencedora do processo licitatório.

Ainda em abril de 2012, por determinação do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a Alfa Rodobus retoma as linhas municipais, sendo a Iluminada (vencedora da concorrência naquele ano) impedida de operá-las.





A decisão foi tomada pelo mesmo desembargador que acatou o impedimento da Alfa Rodobus por solicitação da Prefeitura Municipal de Magé.

No ano seguinte, o efeito suspensivo do direito de rodagem da Transportes e Turismo Iluminada foi cancelado e a empresa retoma a operação do transporte coletivo de passageiros em Magé.




As linhas municipais são operadas com veículos de todas as empresas do Grupo TREL (TREL, Divina Luz e Iluminada)

A empresa, vencedora da licitação realizada em 2012, fora forçada a interromper as atividades por causa da Alfa Rodo Bus, mas conseguiu reverter o resultado em 2013.

A ligação de Andorinhas no distrito de Santo Aleixo com o município de Niterói, teve origem com a COGEL - Coletivos Magé Ltda.
A empresa era dona das empresas Viação Floresta e Tricordiano Transportes e Turismo, que são divididas quando a Transturismo Rio Minho assume a Cogel.




COGEL - Coletivos Magé Ltda - Niterói x Andorinhas - Foto: Acervo Cia de Ônibus

Já as empresas subsidiárias da COGEL são repassadas para outros empresários.

A Tricordiano é repassado para a Icaraí Auto Transportes e depois foi para a Viação Rio Ouro e a Floresta ficou com a Viação Mauá.

Nos anos 70, a Rio Minho assumiu as linhas que eram da COGEL - Coletivos Magé Ltda:

121 Magé x Niterói
458 Andorinhas x Niterói



Basicamente essas linhas estavam em sua área de atuação e tinham trajetos sobrepostos aos seus, podendo ser considerados concorrentes.



Com o controle acionário na Rio Ita, as linhas originadas na COGEL são entregues à Expresso Rio de Janeiro (Magé-Itaboraí).
Nas últimas décadas, outras linhas foram repassadas para a Expresso Rio de Janeiro.


Nos últimos anos, a Expresso Rio de Janeiro sofreu muitas perdas de veículos em casos de incêndios. Em todos esses casos, a Rio Ita, empresa majoritária do Grupo, emprestou veículos para suprir a demanda e evitar maiores prejuízos à população.



Em uma nova estruturação do setor de Magé, algumas linhas que atendem ao município e que eram operadas pela Transturismo Rio Minho, foram repassadas para a empresa Mageense.

Em junho de 2015, a Expresso Rio de Janeiro, recebe as últimas linhas no setor de Magé da Transturismo Rio Minho. foram elas:



2945I Nova Iguaçu x Niterói via Magé e Caxias 
603I Nova Iguaçu x Magé





Sendo assim, a Rio Minho ficou apenas com as linhas cujo itinerário compreende a travessia da Ponte Rio-Niterói.

As linhas que ligam o distrito ao Centro da cidade do Rio de Janeiro e à Duque de Caxias eram operadas pela Luxor Transporte e Turismo
A Luxor foi fundada em 1960 e encerrou suas operações em 2005.



Sua área de atuação original era a ligação da sede da cidade e distritos de Magé ao Centro das cidades do Rio de Janeiro e Duque de Caxias.



Ao assumir linhas que eram da extinta AVEL – Auto Viação Estrela Ltda que ligavam Duque de Caxias e Magé à Petrópolis através da Estrada Velha da Serra da Estrela e a das linhas da empresa TREL – Transturismo Rei Ltda em Duque de Caxias que ligavam os distritos de Campos Elísios, Xerém e Imbariê ao Centro do Rio, a empresa cresceu em tamanho e em área operacional, fazendo que ela então fosse dividida.


Fase de transição das linhas entre a Luxor e a Anatur - Foto: Reprodução da Internet

A empresa foi encampada pelo governo do estado nos anos 80 e desde que deixou a encampação, a empresa que outrora crescia e prosperava, começou a entrar e decadência nos anos 90. Com a crise que assombrou a empresa, a Anatur deixou o setor de fretamento e turismo para dar apoio as linhas urbanas da Luxor em 1997.



Com isso, parte de suas linhas, passaram a ser operadas pela empresa irmã ANATUR, que antes operava apenas no segmento de turismo.

Em 2001 a Anatur foi extinta e a Luxor, após uma reestruturação, adquiriu algumas linhas que atendiam os distritos de Campos Elísios, Xerém e Imbariê e outras foram entregues de volta para a TREL – Transturismo Rei Ltda.


Linha 464C Central x Andorinhas em fase de transição entre a Luxor e a Reginas - Foto: Reprodução da Internet

Após anos de decadência a tradicional empresa da baixada encerra as operações em 2005 e vende seu império territorial para outras empresas da região.




Os setores Magé/Guapimirim foram vendidos para a Auto Viação Reginas.



125C Central x Magé
126I Duque de Caxias x Magé via Imbariê
195C Praça Mauá x Guapimirim
196C Central x Guapimirim
464C Central x Andorinhas
465C Duque de Caxias x Andorinhas via Magé
Castelo x Magé
Praça Mauá x Andorinhas





Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Principais Asuntos

barcas (2) brt (2) Caminhos (11) cidades (11) corredores (17) destaque (5) empresas (19) exportado (14) extinto (3) ferrovia (6) ferrovias (11) guanabara (1) iconeI (2) iconeII (2) ilhagrande (1) intermunicipais (47) Localidades (29) Malha (9) metro (2) mobilidade (20) municipais (12) municipios (11) noticias (13) onibus (64) perigo (1) ramais (1) regiões (12) rotas (31) rotas1 (31) seletivos (12) staff (7) Terminais (12) transbrasil (1) trens (11) vlt (1)

Total de visualizações de página


Somos movidos pelo interesse de explorar os meios, modos e regras que integram o sistema de mobilidade urbana no Estado do Rio de Janeiro. O avanço tecnológico tem trazido mais dinamismo nas cidades, fazendo com que a população evolua e acompanhe esse avanço.

Buscamos obter informações, matérias, históricos e projetos de mobilidade e transformação urbana, assim como a realização de visitas técnicas em empresas, concessionárias e instituições relacionadas à Mobilidade Urbana do RJ, cuja perspectiva é abordar temas mais diversos e estar inteirado no que há de vir nos serviços de transportes.


As Mais Lidas

Postagens Recentes