Viação Oeste Ocidental

Criada em 1995, a empresa se origina de acontecimentos que remontam à década passada. Conta-se que a intervenção realizada pelo governo fluminense deixou a Oriental à deriva, o que culminou na entrada da Amigos Unidos após 1988.




Anos depois, a TAU cria sua própria companhia e se retira da Oriental. Pode­se dizer que as crises, as alterações operacionais e os solavancos fazem parte da história da Ocidental.

A Ocidental foi criada a partir da cisão que correspondia a parte das ações que pertencia a Transportes Amigos Unidos na sociedade da Transportes Oriental, ficando a Ocidental com a maioria das linhas.




A garagem e sede da empresa ficou no mesmo endereço, sendo apenas desmembrada uma parte menor para a Oriental. A Ocidental original tinha área de atuação muito bem definida.



O grupo TAU se fortaleceu a partir de 2000, quando passou a administrar também a Viação Santa Sofia. Entretanto, com o decorrer do tempo o grupo TAU foi deixando desassistidas as suas afiliadas, acarretando a falência da Transportes Mosa do RJ e da empresa Santa Rita de Itaguaí, além do sucateamento (quase falência) da Santa Sofia e o inchamento da Ocidental (a empresa absorveu grande quantidade de linhas, e não deu conta sequer de suas linhas originais).




Logo após a cisão, faziam parte da empresa as seguintes linhas: 

301 ­ Pça. XV x Deodoro
389 ­ Tiradentes x Vila Aliança
396 ­ Tiradentes x Bairro Jabour
397 ­ Tiradentes x Campo Grande
689 ­ Méier x Campo Grande
784 ­ Mal. Hermes x Vila Kennedy
811 ­ Bangu x Vila Kennedy
812 ­ Bangu x Guandu
813 ­ Bangu x Catiri
817 ­ Campo Grande x Fazenda Botafogo (parcial da 397)
819 ­ Bangu x Jardim Bangu.



Noves fora a 301, a 784, as linhas circulares de Bangu e a 389, as outras linhas passavam pelo lado "ocidental" da linha férrea, ao oeste. Nesta primeira fase, entre 95 e 99, as renovações de frota eram bem­dosadas e variadas. Havia Scania para as linhas pesadas, Alpha para a 689 e Millenium para a dupla dinâmica 397/689.




Em 98, a empresa assume o transporte do parque temático Terra Encantada, local que nunca atendeu à proposta inicial. A Ocidental começa a crescer ­ ou inchar ­ em 1999. Ela assume grande fatia da Santa Sofia, composta das seguintes linhas e 60 ônibus:

857 ­ Campo Grande x Sete de Abril
858 ­ Campo Grande x Santa Cruz via Cesário de Melo
859 ­ Campo Grande x Base Aérea de Santa Cruz 860 ­ Pedra de Guaratiba x Conjunto Manguariba 861 ­ Reta do Rio Grande x Cesarão
862 ­ Urucânia x Conjunto João XXIII
863 ­ Conjunto São Fernando x Cesarão
881 ­ Campo Grande x Vilar Carioca
886 ­ Santa Cruz x Jesuítas
892 ­ Santa Cruz x São Benedito.


Como podemos ver, a empresa ficou responsável pelo transporte interno de Santa Cruz, junto com boa parte das linhas da Cesário de Melo. O repasse ampliou a Ocidental, mas a colocou numa região onde o alternativo já mostrava certa pujança. Sintomaticamente, a única linha operada com muitos carros era a 858.

Após assumir um naco da Santa Sofia e fazer uma renovação expressiva em 2000 (mais de 60 ônibus 0km, entre Viale 1721 e Senior 814), a Ocidental pega mais três linhas da falida Mosa.




A operação fez parte de um serviço emergencial iniciado em março de 2002:

340 ­ Vila Kosmos x Pça. XV via Rua Uranos e Praça Mauá
345 ­ Vila Kosmos x Pça. XV rápido/ via Av. Meriti e Lucas
346 ­ Vila Kosmos x Pça. XV via São Cristóvão, Leopoldina e Pres. Vargas


Pode­-se elogiar a empresa por ter ressuscitado três linhas que estavam à beira da morte, mas a operação prolongada podia trazer ­ e trouxe ­ problemas para a estrutura da Ocidental. Os recursos que poderiam ser usados nas linhas mais problemáticas da Zona Oeste foram aplicados em trajetos que não tinham relação com a empresa.

Após um tempo, o trio 340, 345 e 346 voltou a ter as mesmas condições da época da Mosa. O último surto de crescimento ocorre quando a Ocidental já demonstra certo inchaço. No início de 2006, a Santa Sofia repassa mais linhas e forma o quarto setor de sua irmã:

786 ­ Mal. Hermes x Campo Grande
828 ­ Augusto Vasconcelos x São Jorge
846 ­ Campo Grande x Rio da Prata
847 ­ Campo Grande x Rio da Prata
848 ­ Campo Grande x Monte Santo
S027 ­ Mal. Hermes x Urucânia



Junto com as linhas, chegou uma remessa de Svelto 1418 micrão, a última compra de veículos novos da Ocidental. Entretanto, o ponto fraco da empresa se acentua: a excessiva quantidade de linhas, com perfis muito diferenciados. A 858 tem necessidades diferentes da 689, que não complementa a 345, que por sua vez faz um caminho completamente diferente da 397.



A antiga Auto Diesel também passou por tal problema, resolvido com as cisões entre 94 e 95. A situação da Ocidental piorou a olhos vistos entre 2006 e 2009, com a nítida piora da frota. Os Viale e Turquesa, que eram ônibus um pouco velhos mas adequados, passaram a quebrar constantemente, reduzindo a quantidade de veículos na rua e prejudicando a operação de diversas linhas.



A situação, que contou com lances pitorescos como o recebimento de Cidade I 98, se modifica com o pool estabelecido pela SMTU. Linhas como 389, 396 e 784 vão para empresas como Bangu, Campo Grande e Andorinha, enquanto a 397 é dividida com a Amigos Unidos.



Em maio de 2009, a empresa sofreu intervenção da Prefeitura do Rio e do Ministério Público diante de centenas de denúncias sobre o péssimo serviço prestado à população da Zona Oeste. Sendo assim, a Secretaria Municipal de Transportes decidiu distribuir parte das suas linhas a outras empresas da região.



Em Setembro de 2009 a empresa teve sua garagem lacrada pelo Mininstério Público pela falta de manutenção/conservação e comprometimento da segurança de seus veículos, sendo apenas 40 de 180 veículos liberados para circulação.

Em 04/01/2010 a empresa entrou em processo de cassação de suas linhas pela Prefeitura do Rio de Janeiro. Em março do mesmo ano, a SMTR indeferiu o pedido da Ocidental para reintegração de suas linhas embargadas, o mesmo ocorrendo com sua empresa originária, a tradicional, Transportes Oriental.



Em 2010, a empresa deixou de operar, não tendo sido incluída em nenhum dos consórcios que se formaram naquele ano. A empresa encerrou suas atividades no dia 29/10/2010.

Em dezembro de 2012, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro reconheceu que a Rio Rotas não poderia ser considerada sucessora da Ocidental.



Em 12/09/2013 a antiga garagem da empresa sofreu o principio de incêndio, atingindo 20 ônibus que estavam estacionados no local.


Incêndio atinge empresa de ônibus em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio - Foto: Reprodução/ TV Globo



Referências Bibliográficas

resgatando Memórias, Chopp Duplo, Mais Ônibus, Jornal O Globo, Ônibus Brasil, Cia de Ônibus, SMTU.
Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Principais Asuntos

barcas (2) brt (2) Caminhos (11) cidades (11) corredores (17) destaque (5) empresas (19) exportado (14) extinto (3) ferrovia (6) ferrovias (11) guanabara (1) iconeI (2) iconeII (2) ilhagrande (1) intermunicipais (47) Localidades (29) Malha (9) metro (2) mobilidade (20) municipais (12) municipios (11) noticias (13) onibus (64) perigo (1) ramais (1) regiões (12) rotas (31) rotas1 (31) seletivos (12) staff (7) Terminais (12) transbrasil (1) trens (11) vlt (1)

Total de visualizações de página


Somos movidos pelo interesse de explorar os meios, modos e regras que integram o sistema de mobilidade urbana no Estado do Rio de Janeiro. O avanço tecnológico tem trazido mais dinamismo nas cidades, fazendo com que a população evolua e acompanhe esse avanço.

Buscamos obter informações, matérias, históricos e projetos de mobilidade e transformação urbana, assim como a realização de visitas técnicas em empresas, concessionárias e instituições relacionadas à Mobilidade Urbana do RJ, cuja perspectiva é abordar temas mais diversos e estar inteirado no que há de vir nos serviços de transportes.


As Mais Lidas

Postagens Recentes